sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Quando o Sus diz não...


Pra ver como as coisas são...

Ela tem um aninho de idade e passou no colo da mãe por 3 pediatras diferentes em 15 dias, plano de saúde? Sim ela tem, mas do que adiantou plano? Se ele não cobre bulhufas? Se um especialista em pele "nem pagandooo?", é uma bela ilusão diria eu, algo como ser cobaia de clinico geral e só.

Mas enfim...

Ela teve infecção na camada gordurosa da pele, provocada por Candíase e mais dois tipos de fungos diferentes, que atacam a pele de forma diferente.

Isso só foi descoberto depois de sair da tal "clinica paga" e "de ônibus" porque não tinha ambulância disponível!" Só pra variar!

A mãe e a menina se deslocaram em três hospitais diferentes, obtendo a mesma resposta: "Mãe como pediatra, não posso te ajudar. Vai pro hospital -tal- porque lá talvez tenha o que precisa... blábláblá" Dou ênfase ao "talvez tenha".

E ai correria denovo, bolsa da mãe, bolsa da menina, sacola de bolachinhas, menina no colo e claro um sapatinho nada confortável, sem grana e completamente apavorada por não saber o que a menina tinha que, um pediatra não soubesse interpretar.

Finalmente no meio da tarde, a mãe entrou no centro especializado de dermatologia (sei que deveria ser escrito com letra maiúscula, mas por falta de merecimento não serei fiel ao português), enfim chegando lá, sem fichas, mandaram esperar até o outro dia as duas da manhã pra tentar ficha , a menina passando mal, com dor... mãe nenhuma aguenta, precisar e saber que os médicos que ela procurou o dia todo estavam lá na salinha ao lado tomando café e ela ter de ficar aguardando até o outro dia pra acudir seu bebê.

Sei que parece dramático demais, mas tô resumindo em palavras termináveis o sentimento de uma mãe poxa!

Ela precisou mentir, "Moro no interior, a bebê tá muito pior que parece, não tenho condições financeiras! e..." sem em deixar trminar a frase, me saiu com a seguinte resposta: "Mãezinha desculpa." ai foi o fim!

Quando me passou pela cabeça ter de ficar sem um puto real pra dar algo pra ela comer, sem comer, cansada e sabendo da possibilidade de atendimento... quando o Sus disse não, é foi o fim da paciência.

A mãe pulou no balcão e gritou: "Chama a droga de médico agora ou te faço ficar aqui comigo cuidando da menina até alguém arranjar uma ficha! Eu não vou esperar por um atendimento que pode ser feito agora, por falta de consideração! Eu quero atendimento.".

Pronto.

Três médicos. Dois especialistas. Raspagem. Exames. Tudo ficou pronto em menos de duas horas. Menina medicada. Mãe tranquila. Doença detectada. Casa.


O SUS é feito somente para "PREVENIR" porque do contrário "NÃO SOLUCIONA".


A mãe sou eu Josi e a menina é minha filha Manoela.

Ainda bem que sou pavio curto, que sei interpretar uma mulher da roça sem grana e que, fala alto até demais deixando no ar um tom de inconformidade e superioridade de dar medo.

No fim valeu a pena. A manu está "finalmente" tratando corretamente o mal que a aflinge!


E bola pra frente que atrás de tí tem o Sus... como diria a Manu "Medo medo!"aff

Um comentário:

Anônimo disse...

E sigo sendo cada vez mais sua fã! Não consigo entender o fato de que muita gente agiria de forma diferente, se conformando e indo embora... Se o sistema não funciona, nem que seja no grito ou a tapa agente bota ele pra funcionar. É isso aí! Beijão

Clarissa Corralles